O Carrossel

Dia desses, minha mãe me contava sobre um trabalho que está fazendo sobre “Capitães de Areia”, obra grandiosa de Jorge Amado, que ganhou uma versão para as telas a entrar em cartaz dentro em breve. Falava-me ela – que viu a pré-estréia e gostou muito do filme – sobre uma cena em um carrossel.

Foi então que me lembrei de uma descrição densa e poética que havia lido recentemente – uma cena em um carrossel – sobre os primórdios da capacidade humana de experimentar a solidão, os ciclos e a vertigem da vida, suportados e vertidos em fantasia, quando se tem um porto seguro.

Esse post vai para minha mãe, testemunha confiante de tantas voltas minhas: que ela conheça, através de mim, esta pérola do Benjamin.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s