O Carrossel

Publicado: 25/09/2011 em Diário poético

Dia desses, minha mãe me contava sobre um trabalho que está fazendo sobre “Capitães de Areia”, obra grandiosa de Jorge Amado, que ganhou uma versão para as telas a entrar em cartaz dentro em breve. Falava-me ela – que viu a pré-estréia e gostou muito do filme – sobre uma cena em um carrossel.

Foi então que me lembrei de uma descrição densa e poética que havia lido recentemente – uma cena em um carrossel – sobre os primórdios da capacidade humana de experimentar a solidão, os ciclos e a vertigem da vida, suportados e vertidos em fantasia, quando se tem um porto seguro.

Esse post vai para minha mãe, testemunha confiante de tantas voltas minhas: que ela conheça, através de mim, esta pérola do Benjamin.

Anúncios
comentários
  1. Gabi disse:

    Adorei! Bela descrição da vivência circular do carroussel….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s