O Matapu

Publicado: 24/04/2011 em Situações e reflexões

– O que é isso? – perguntei ao índio na feirinha do Festival de Cultura Indígena em Bertioga.

– É um Matapu.

– Que Bonito! (Imaginei ele ornando belo em minha futura casa…)

– Serve para espantar onças.

Como esse que vai lá no alto, era um objeto assim bonito, em madeira pintada com formas pretas e tons terra. Era plano e comprido, em formato de peixe. E tinha uma cordinha presa numa das pontas, possivelmente para dependurá-lo como enfeite.

O índio me mostrou como é que eles fazem para espantar as onças. Disse que os Yalawapiti – grupo que, na ocasião da vinda de Orlando Vilas Boas tinha apenas 6 índios e hoje tem 300 – amarram o Matapu a uma corda comprida, giram-no várias vezes e assim produzem um zunido que afungenta as onças.

Conversamos um pouco e ele me contou que veio sozinho – trazendo grande quantidade de artesanato – do parque do Xingu até São Paulo. Durante a conversa, eu tentava disfarçar minha comoção. Tinha muitas perguntas que queria lhe fazer, mas estava acompanhada e ele também tinha outros clientes pra atender.

Mas o fato é que fiquei emocionada diante daquele ser que dialogava comigo falando tão bem a minha língua, portando uma sabedoria e uma beleza visíveis no (modo de) dizer, no corpo, no olhar, nos gestos, nos artefatos que vendia. Sabedoria e beleza que, por pouco, podiam não existir.

Em meio a esse “ritual” de compra e venda próprio da cultura do homem branco, cena corriqueira na vida urbana, na qual costumeiramente o rosto e as características das pessoas ficam apagados pelas mercadorias e pela pressa, senti imensa tristeza.

Havia índios de várias etnias vendendo artefatos naquele lugar. Como será, para eles, participarem de um evento como esse? Será que o dinheiro arrecadado realmente resulta em benefícios para seus grupos?

É certo que o capitalismo fagocita, tanto quanto produz – entre outras coisas – constrangimentos. De todo modo, nesse breve contato com o índio-vendedor, pudemos nos apresentar, olhar com calma nos olhos e ainda rir juntos. Isso porque não pude conter o comentário que veio à boca tão logo empunhei o Matapu escolhido e o ergui com o braço direito:

– As onças que se cuidem!!!

E ele: – Que onças?

– As onças da cidade…

Anúncios
comentários
  1. Luiz disse:

    adeuscafofo,

    boa tarde!

    de posse de seu Matapu você já cruzou com alguma onça da cidade ?

    Luiz

    • adeuscafofo disse:

      Olá Luiz!

      Então, de lá pra cá, ainda não cruzei nenhuma, até porque estou temporariamente fora de circulação.

      E como o Matapu não cabe na bolsa, possivelmente aconteça de eu cruzar alguma sem ter ele à mão.

      Isso me faz pensar que o melhor mesmo é estar preparada pra enfrentar as feras urbanas utilizando ferramentas psicológicas mesmo, rs…

      Bem vindo ao Blog!

      Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s